Receitas mais recentes

12 falhas em produtos alimentícios mais embaraçosos

12 falhas em produtos alimentícios mais embaraçosos

Quando vamos ao supermercado, temos certas expectativas dos produtos que veremos lá. Jell-O não terá sabor de aipo. Os salva-vidas serão pequenos doces redondos, não refrigerantes. Quando essas expectativas são invertidas, não é apenas um pouco de dissonância cognitiva, é simplesmente bizarro. E só depois de passar o choque é que nos perguntamos: "Por que alguém iria querer Comprar isto?"

12 falhas de produtos alimentícios mais embaraçosas (apresentação de slides)

Extensões de marca, ou quando uma empresa lança um novo produto que ainda está conectado à sua marca principal, são um pilar da indústria de produtos alimentícios. A maioria é bem pensada, testada em campo e faz muito sentido: Oscar Mayer é conhecido por sua carne de almoço, então por que não comprar rodelas de peru, com queijo, biscoitos, uma bebida e sobremesa, tudo embalado em uma caixa arrumada? O Lunchables foi um sucesso quando foi lançado em 1988 exatamente por esse motivo: fazia sentido, e os pais confiavam que a marca seria capaz de fornecer um almoço completo e decente para seus filhos. No entanto, embora as extensões de marca que veremos hoje possam ter feito sentido para algum executivo de desenvolvimento de marca exausto em algum lugar, elas certamente não foram um sucesso com o público em geral.

A maioria desses produtos fracassados ​​estava tentando capitalizar em uma tendência. Houve um tempo em que as pessoas faziam saladas (com vegetais de verdade) que eram firmemente envoltas em gelatina. Então, por que não vender gelatina com sabor de aipo? No início dos anos 2000, quando tudo foi levado para a "EXXXXTREME", o pessoal da Heinz pensava que seria extremamente extremo lançar uma linha de ketchups em cores "extremas" como verde e roxo. E durante os anos 70 de espírito livre, quando as pessoas viviam a vida de solteiras e prontas para se misturar, Gerber presumiu que elas estariam igualmente dispostas a comer o que parecia comida de bebê em um pequeno pote de vidro.

Embora os chefes de equipe e os testadores de campo possam pensar que uma ideia é boa (embora não possamos imaginar que alguém realmente acreditou que esse último produto, chamado Gerber Singles, seria um sucesso), realmente não há como saber se um produto será vendido até chegar às prateleiras. Algumas dessas extensões de marca, como o Lunchables, ainda estão conosco hoje, e outras, como "Maxed Out" do Lunchables, que era voltado para adultos e continha 40% a mais de comida, caíram das prateleiras quase imediatamente.

Felizmente, a maioria dos produtos que acabaram no lixo e permanecem uma mancha embaraçosa na reputação das marcas que os produziram se foram, mas não foram esquecidos. E, com sorte, nunca serão, porque algumas dessas coisas são hilárias.

Clique aqui para ver 12 falhas embaraçosas de produtos alimentícios, classificados de acordo com o nível de vergonha que provavelmente causaram às suas matrizes.

Dan Myers é o Editor do Eat / Dine do The Daily Meal. Siga-o no Twitter @sirmyers.


Os 12 erros mais comuns para evitar no cozimento do pão

Você finalmente decidiu dar uma volta por cima de assar um pão de forma, ou você tentou aumentar seu jogo de pão de milho, baguete ou massa azeda. Bom para você! Aqui & rsquos conselhos de especialistas sobre como evitar os erros mais comuns.

& # x201CFazer pão tradicional e intuitivo não se adapta naturalmente a uma receita escrita, & # x201D escreve o padeiro da Bay Area Chad Robertson em seu livro de receitas Pão Tartine.

A julgar com base nas minhas aventuras na cozinha até agora, o restaurateur vencedor do prêmio James Beard está (sem surpresa!) Bastante correto. Recentemente, fiz uma pizza em fatias que fiz cerca de meia dúzia de vezes antes e para a qual a receita recomendava um processador de alimentos. Desta vez, usei minhas mãos e deixei a massa crescer durante a noite. A torta resultante era a melhor até agora & # x2014; tenra e saborosa na textura, adequadamente borbulhada com muitos bolsos arejados e uma afinidade real com todo o azeite de oliva que eu & # x2019d espalhado em sua assadeira.

Mas, além da sua própria intuição, há muito que os profissionais podem lhe ensinar. Procurei o aclamado padeiro Zachary Golper das padarias Bien Cuit de Brooklyn e Manhattan, cujo livro de receitas mantenho ao lado de Robertson & # x2019s enquanto tento antecipar armadilhas comuns de cozimento. Quando perguntei a ele sobre os erros que os padeiros domésticos cometem, ele advertiu: & # x201Esta & # x2019 é uma pergunta difícil, porque em todos os casos, se você estiver prestando atenção [na panificação] é uma experiência de aprendizado, porque você está se tornando um melhor padeiro no outro lado dele. Sucesso sem fracasso ensina muito pouco. & # X201D É uma abordagem inteligente e zen, mas consegui arrancar dele algumas armadilhas que os padeiros domésticos podiam evitar.

1. Passe farinha na massa molhada

& # x201COfrequentemente as pessoas têm medo de massa pegajosa, então continuam adicionando farinha, & # x201D avisa Golper. & # x201CTeles & # x2019 tem medo de deixar a mágica acontecer & # x2026Se as pessoas querem um bom pão, elas & # x2019 têm que superar isso. & # x201D Algumas massas simplesmente ficarão muito úmidas quando & # x2019 estiverem prontas & # x2019 do jeito que ciência da fermentação, tempo e trabalhos térmicos.

2. Não usando uma escala digital

& # x201As pessoas recuam nas escalas, & # x201D diz Golper, mas elas são extremamente úteis. & # x201CA colher de chá de sal finamente granulado é uma grande diferença de uma colher de chá de sal Kosher. Uma colher de chá & # x2019s não uma colher de chá. O sal é um grande, enorme ingrediente que se você escalar incorretamente em uma direção ou outra, pode ser problemático ou não ter um gosto bom. & # x201D Posso atestar este: No dia em que comecei a fazer meu pão com uma balança, descobri que faltava salinidade para ser corrigido imediatamente.

3. Deixar de fazer anotações

É normal ser nerd quando o assunto é cozimento. Manter anotações sobre a estrutura do miolo & # x2014 se está muito densa ou muito solta, se você gosta da crosta e se o sabor está certo & # x2014 são todas as coisas que os padeiros profissionais fazem e eles & # x2019 irão ajudá-lo quando você fizer seu próximo pão.

4. Ignorando o fator de água

“ que duas coisas são importantes com a água: primeiro, se você tiver água potável da torneira, deixe-a fora durante a noite para que o cloro evapore. (Isso interfere na capacidade da massa de fermentar e não tem um gosto bom!) Em segundo lugar, lembre-se de que o pH da água corresponderá ao pH das bactérias locais e do fermento que flutuam no ar. & # x201COne precisa entender que as bactérias e leveduras locais não vivem em uma área onde não & # x2019t se dão bem com a água & # x201D diz Golper. & # x201Chá & # x2019s uma relação simbiótica & # x2026. Você não pode levar seu fermento inicial de Nova York para a Islândia e esperar os mesmos resultados. Mantenha-o na região. & # X201D A água local combina bem, sem surpresa, com farinha local, então, se você vir, experimente. & # x201CVocê & # x2019 terá mais consistência porque & # x2019 terá as mesmas bactérias e a mesma levedura que estão naquela área, & # x201D, diz ele.

5. Sempre usando fermento comercial

Fermento e entradas são termos assustadores para muitos padeiros novatos. Deixe a levedura embalada do supermercado ser seu ponto de partida, se ajudar você a começar, mas então considere fazer sua própria entrada para pão. Pode ser tão simples, como no livro de Robertson & # x2019s, como combinar farinha e água e colocá-la em temperatura ambiente por cerca de um dia, & # x201Calimentar & # x201D periodicamente com mais farinha. (No livro Golper & # x2019s, ele tende a usar uma pitada de fermento instantâneo comercial também.) Desde que você esteja usando farinha não branqueada, ela deve começar a borbulhar e ficar viva, e pode ser a base de um pão.

6. Fazer tudo em uma batedeira

Dependendo do tamanho do lote, fazer pão manualmente é muitas vezes a melhor aposta, diz Golper. Ele sugeriu que, a menos que você possua uma batedeira de nível comercial de US $ 450, você estará encurtando sua vida ao assar pequenos lotes de pão nela, mesmo que venha com um gancho de massa. Use-o & # x201C para fazer merengue e massa de bolo e coisas assim, & # x201D ele sugere. & # x201CQuando você toca na massa, você tem uma relação muito íntima com ela. Você pode aprender muito com sua massa. & # X201D Além disso, uma máquina pode & # x201Criar & # x201D sua massa, oxidando-a em excesso, e você & # x2019 terminará com um pão mais seco.

7. Troca de farinhas à toa

Está pensando em trocar uma receita e farinha # x2019s por outra diferente? Talvez não. As farinhas provavelmente têm diferentes níveis de proteína, o que afeta a elevação do pão quando sai do forno. A farinha branca tende a ser ligeiramente mais rica em proteínas do que os grãos inteiros. Se você quiser um pão nobre, mas quiser incorporar grãos inteiros como o centeio, & # x201C que é realmente onde você & # x2019 está ganhando no nível de sabor & # x201D diz Golper, use farinha branca com 12 por cento ou mais de proteína. O problema com grãos inteiros é essencialmente que seu farelo vai cortar a rede de glúten de proteínas em seu pão, então se você adicionar muito, você terá um pão achatado. (Alguns cozinheiros evitam isso deixando os grãos inteiros de molho durante a noite para que as fibras do farelo fiquem menos afiadas.)

8. Muito quente ou muito frio

& # x201CA pequena massa de massa em fermentação se igualará rapidamente à temperatura ambiente & # x201D Robertson avisa em seu livro. Ele mantém sua padaria entre 78 e 82 graus, mas talvez você não consiga fazer isso quando a massa estiver subindo. Você pode ajustá-lo, escreve ele, misturando a farinha com água mais quente & # x2014talvez água a 90 graus se sua cozinha estiver abaixo de 70 graus. Seu forno, mesmo se estiver desligado, geralmente será o lugar mais quente da cozinha, portanto, deixe a massa crescer nele se sua cozinha estiver fria.

9. Ser impaciente

Uma dica deste padeiro amador: se a receita diz & # x201C12-18 horas & # x201D para o estágio inicial de descanso, mas as notas da receita indicam que seu desenvolvedor sempre coze por 18 ou mais, vá para 18. Meu não amasse o pão ficou enormemente saboroso após 18 horas, mas não cresceu adequadamente no forno quando eu esperei apenas 12 horas durante o crescimento inicial.

10. Não deixando o pão à prova completamente

& # x201CProofing, & # x201D ou o descanso final de um pão antes de ir para o forno, pode ser frustrante. Essa massa provavelmente tem um cheiro delicioso e você está pronto para ver o que fez. Mas deixe-o à prova completamente. Para a maioria dos pães, isso ocorre quando uma cutucada suave com a ponta do dedo deixa uma pequena reentrância na massa, lentamente se arrasta para trás e & # x201Calmost não & # x2019não volta totalmente & # x201D diz Golper. (Se você cutucar e a marca de cutucada permanecer, opa, você & # x2019ve overproofed!)

11. Esquecendo de marcar

Essas linhas lindas que você vê nas pontas dos pães da padaria? Isso é chamado de pontuação, que é essencial para que o pão possa liberar gases de maneira adequada enquanto é levado ao forno. Como Robertson escreve, & # x201O pão não pontuado não atinge seu potencial e muitas vezes se abre nas laterais. & # X201D Os tipos de partituras que você usa podem se tornar assinaturas, acrescenta ele. Você pode usar uma faca afiada ou uma navalha para marcar cuidadosamente um quadrado em um pão redondo.

12. Tirando o pão do forno muito cedo

Há uma linha tênue entre & # x201Cburned & # x201D e & # x201Pão & # x201D perfeitamente feito, e Golper literalmente nomeou sua padaria para esse fenômeno. & # x201CBien cuit, pas trop cuit& # x201D é francês para & # x201Cwell cozido, mas não exagerado, & # x201D que ele escreve em seu livro de receitas. Ao assar seu pão até que passe de dourado, mas não queimado, você estará ativando a reação de Maillard, que essencialmente cria um maravilhoso novo conjunto de sabores em alguns alimentos ricos em proteínas cozidos em altas temperaturas. Pode ser um pão cuja crosta está repleta de sabor, em vez de ser apenas monótono.

Se você & # x2019fez corretamente, um pão bem passado parecerá leve na mão, & # x201Co que indica que a quantidade certa de água foi cozida & # x201D diz Robertson. & # x201C Quando tocado na parte inferior, o pão parecerá oco. & # x201D

Como isso é lindo? E se o seu primeiro pão não for exatamente o que você queria, continue tentando. Fatores ambientais & # x2014a umidade do dia, o fermento em sua cozinha e até mesmo o calibre da água & # x2014todos afetam o que você & # x2019 está fazendo, então continue brincando até encontrar pão dourado.


5 xícaras de pudins de bife

Algumas pessoas dizem para nunca julgar um livro pela capa, mas estou fazendo isso com esta receita.

Sim, parece pele humana cheia de carne picada de órgão. Parece um prato servido em uma alucinação que um personagem está tendo em um filme de David Cronenberg. Aparentemente, são "pudins de bife".

A receita em si foi produto de uma mente corrompida e fragmentada. Pediu água, mas nunca disse quanto. Alguns ingredientes listados nunca foram usados, enquanto outros não foram listados, mas foram mencionados como sendo necessários na metade do processo. Era complicado e estava sempre mudando, com pouca ou nenhuma direção. Era como se andar pelo Aeroporto Internacional de Denver fosse uma receita.

O ponto crucial da receita era o sebo (também conhecido como gordura de rim de vaca, que observo que atualmente é usada principalmente como ração para pássaros), mas eu ainda tinha esperança, porque alguns dos ingredientes eram coisas normais, como farinha e fermento em pó. Em seguida, eles foram combinados e colocados em xícaras e. Ah não.

Bem, talvez eles fiquem melhor depois de cozinharem

Não sei exatamente o que aconteceu a seguir, mas minhas notas deram um bom resumo:

Eu os tirei do forno e- Que cheiro é esse? Tem o cheiro de uma padaria coberta de gordura de carne. E oh não, por que o pão é borrachento? Por que está vazando? COMO A GRAXA CHEGOU AQUI ?! POR QUE HÁ TANTO ?! DAMN YOU, SUET! MALDIÇÃO, COOKBOOK!

Então, depois de dar uma mordida:

Eu usei comida de cachorro ?! EU INVENTEI ALIMENTOS PARA CÃES! Eu inventei comida de cachorro pior! NOTA PARA SELF: CHAME SHARK TANK GUY RE: DESCOBERTO UMA NOVA INVENÇÃO CHAMADA WORSE Dog FOOD. MERCADO PARA CÃES PIORES. CORGIS? MEU ESTÔMAGO ESTÁ SECANDO.

É um pudim gorduroso e gorduroso que faz você vomitar quando está perto do cheiro. É verdade hoje, e me recuso a acreditar que não era verdade quando esta receita foi escrita.

Relacionado: Você foi mentido para: Ameixa e pudim de ameixa não contêm ameixas


15 falhas de marketing lendárias

Há algo tão constrangedor em testemunhar erros de marketing de outros. Nosso último post sobre o assunto, 15 Epic Marketing Fails foi um sucesso. E também nosso álbum no Facebook repleto de fotos de embaraçosas falhas de marketing.

Então, de volta à demanda popular, reunimos as melhores das piores falhas de marketing.

  • Genius ou Fail? Quando o marketing falha é tão terrível, você se pergunta se os profissionais de marketing o fizeram de propósito. E se o fizeram, a frase & # 8220Qualquer publicidade é boa publicidade& # 8221 realmente soa verdadeiro?
  • Falha de gramática e ortografia. Quando algo estiver representando sua marca ou comercializando seu produto, por favor, lembre-se de verificar o seu trabalho.
  • Falha no posicionamento do anúncio: Quando um anúncio encontra outro e causa o caos. Quando os profissionais de marketing pagam um bom dinheiro e os editores estragam tudo.
  • Diversas falhas de marketing: Estes não podem ser categorizados - exceto talvez com a palavra ERRADO.

(Isso é meio constrangedor?) Receitas para pessoas que odeiam comer e cozinhar

Eu sou uma mulher de 26 anos e vivi principalmente de Lean Cuisine, Hot Pockets e macarrão instantâneo (literalmente, os saquinhos de macarrão de uma porção que você coloca no micro-ondas). Não consigo enfatizar o suficiente o quanto não sei o que estou fazendo na cozinha.

Tive o desejo de tentar fazer mais refeições. Passos de bebê. Até agora, comprei uma frigideira e uma assadeira. Eu pedi uma panela para macarrão, mas ainda não está aqui. Esse é literalmente o meu ponto de partida, então ajuste suas sugestões de acordo, lol.

Estou tentando fazer uma lista de compras de outras coisas para me facilitar a cozinhar para mim. Entrei no Reddit há duas semanas, então pensei que talvez este seja o lugar certo para postar.

Antes que alguém entre com suas frases de “você deveria ver um terapeuta” - eu vou! Foi assim que cheguei aqui! Sim, tudo isso tem suas raízes no trauma! Estou tentando o meu melhor e estou motivado!

Isso é o que eu tenho até agora:

macarrão com manteiga (quando minha panela chegar)

Qual é a minha próxima etapa? Ovos mexidos? Alguém que conheço fez uma quiche recentemente, devo tentar. Todas as minhas idéias sobre o que as pessoas comem no dia-a-dia são super confusas e eu só estou procurando ajuda.

Não tenho alergia alimentar, como carne (NÃO tenho ideia de como preparar carne, mas eu como), tenho alguns problemas sensoriais, mas estou tentando trabalhar com eles também.

Muito obrigado por sua ajuda.

Se você tem uma assadeira, você está no caminho certo para assar alguns vegetais adoráveis. Há algum vegetal que você já sabe que gosta? Há algum sobre o qual você sempre teve um pouco de curiosidade?

Minha mãe pode ter cozinhado vegetais para nós enquanto cresciamos, mas eu não me lembro? Sei que gosto de feijão verde e brócolis, mas só os comi na casa de outras pessoas ou em restaurantes. Eles foram em sua maioria microondas? Não sei se comi outros tipos de vegetais.

Se você está nervoso sobre como cozinhar frango ou carnes, você pode comprar frango assado em muitos supermercados. Isso geralmente me dura algumas refeições sozinho. Você pode pesquisar no Google ou no YouTube como cortar uma galinha. Você pode adicionar este frango cozido a muitas refeições.

100% isso. Tão bom, e pode ser transformado em tantas refeições diferentes! Salada de frango, tacos, sopa, etc.

Amo que você tenha dito, & quotse & # x27ser nervoso sobre cozinhar frango ou carnes & quot porque eu era absolutamente assim quando comecei a cozinhar.

OP, se uma panela de barro ou panela elétrica estiver em seu orçamento (você pode conseguir uma pequena por um preço bem barato!), Também é uma ótima maneira de fazer um monte de frango desfiado (ou outras carnes) e não ser preocupada tanto com a carne mal cozida.

Quando eu era um estudante de graduação, eu desmontava um frango assado e às vezes congelava o restante. Você pode adicioná-los a qualquer coisa! Minha refeição que não tenho tempo para cozinhar foi macarrão com manteiga e frango. Ou um sanduíche de frango com torrada. Ou acrescentou alguns temperos e comeu com tortilha. Ou misturado com verduras para uma salada. Sei que parece simples ou até mesmo uma farsa, mas essas refeições foram as únicas coisas que tive tempo de preparar.

Se eu tivesse tempo de cozinhar o frango do zero, eu colocava peito de frango picado na frigideira com óleo vegetal e o usava em vez do espeto.

OP este é ótimo! Como u / Equivalent_Ad_960 disse, frango assado é uma proteína barata e fácil para muitas refeições. Você pode dividir o frango em carne escura e branca (você pode encontrar um vídeo, e se você não se sentir confortável com uma faca e não se importar em bagunçar, você pode simplesmente fazer isso com as mãos)

As coxas e pernas de frango (a carne escura) podem ser combinadas com arroz branco e vegetais. O arroz branco geralmente tem instruções no recipiente que o tornam mais fácil de trabalhar! Você pode fazer brócolis comprando floretes congelados e crus, descongelando-os, jogando-os em azeite (2 colheres de sopa, geralmente) e cozinhando-os em uma assadeira no forno por 20 minutos a 450 graus F. Adicione sal e pimenta até que estejam tem gosto bom

Macarrão de frango funciona bem para carnes brancas e usa quase todos os mesmos ingredientes. Faça uma panela de macarrão (novamente, as instruções na caixa!), Faça exatamente os mesmos brócolis, jogue tudo junto em uma tigela com 3 colheres de sopa de azeite, o suco de 1/2 limão e adicione sal e pimenta até o gosto Boa.

Eles realmente requerem apenas fazer brócolis por receita / memória. O frango é feito e os amidos têm instruções cuidadosamente elaboradas na caixa.

Eles são ótimos e fáceis de usar, que podem ser modificados conforme você adquire mais habilidades na cozinha, dando a você um campo de treinamento. Você pode fazer seu próprio frango, trocar brócolis por abobrinha ou aspargos, adicionar alho, cebola ou outros temperos, etc. Mas eles também terão um gosto ótimo como básico.

Parabéns a você por lidar com isso - um amigo meu está passando por algo muito semelhante, eu sei como pode ser difícil, mas também como é gratificante. Boa sorte!


25 erros de cozinha mais comuns

Todo cozinheiro, sendo humano, erra, bagunça, faz bagunça e bagunça na cozinha de vez em quando. Se você não "caramelizou" a fruta com sal em vez de açúcar, não sofreu o erro mais embaraçoso cometido por um de nossos editores. Não precisamos ir muito além de nossa equipe e seus encontros com leitores, amigos e parentes para compilar uma lista de 25 vaias culinárias comuns e evitáveis.

A cozinheira criativa muitas vezes consegue escapar de um erro na cozinha, mas a cozinheira inteligente tenta evitar que tal criatividade seja necessária. Aqui estão 25 maneiras de ser mais inteligente o tempo todo.

1. Você não prova enquanto segue.

Resultado: Os sabores ou texturas de um prato excelente estão desequilibrados ou desagradáveis.

Para a maioria dos cozinheiros, a degustação é automática, mas quando não é, o preço pode ser alto. As receitas nem sempre pedem a quantidade "certa" de tempero, os tempos de cozimento são estimativas e os resultados variam dependendo de seus ingredientes, seu fogão, altitude ... e um milhão de outros fatores. Seu paladar é o fator de controle.

Acha que cozinheiros experientes não esquecem esta regra básica? O editor de comida associado de “Cooking Light”, Tim Cebula, era subchefe de um restaurante notável quando serviu abacaxi "caramelizado" que de alguma forma se recusava a dourar. Acontece que Tim cobriu a fruta com sal, não açúcar. "É por isso que não carameliza."

2. Você não lê a receita inteira antes de começar a cozinhar.

Resultado: Os sabores ficam maçantes, etapas ou ingredientes inteiros são deixados de fora.

Mesmo as receitas mais bem escritas podem não incluir todas as informações do título no topo. Um cozinheiro sábio aborda cada receita com um olhar crítico e lê a receita bem antes da hora de cozinhar. Siga o hábito dos profissionais de reunir seu mise en place - ou seja, ter todos os ingredientes reunidos, preparados e prontos para uso antes de ligar o fogo.

“Confie em mim”, diz Mary Drennen Ankar, ex-testadora de cozinha do Cooking Light, “você não quer estar a uma hora de distância da chegada dos convidados do jantar quando chegar à parte da receita que diz para marinar o peito durante a noite ou ferver durante duas horas."

3. Você faz substituições imprudentes na panificação.

Resultado: Você destrói a química subjacente do prato.

As substituições são uma tentação e um desafio específicos para uma cozinha saudável. Na Cooking Light, é nosso trabalho substituir ingredientes com baixo teor de gordura para mudar um pouco a química culinária, enquanto captura a alma de um prato. Quando se trata de panificação, isso é tanto ciência quanto arte.

“Receberei ligações de leitores sobre bolos que estão ficando muito densos ou muito pegajosos”, diz a diretora de cozinha de teste Vanessa Pruett. "Depois de um pequeno interrogatório, vou chegar à verdade: que o leitor usou TODA a purê de maçã em vez de uma mistura de purê de maçã e óleo ou manteiga ou foi com um substituto do açúcar no lugar do açúcar." Prática recomendada: siga a receita e ponto final.

4. Você ferve quando deveria ferver.

Resultado: Um prato apressado que é turvo, duro ou seco.

Este é um dos erros mais comuns na cozinha. Primeiro, vamos esclarecer o que queremos dizer com fervura: uma bolha quebra a superfície do líquido a cada segundo ou dois. Um borbulhar mais vigoroso do que isso significa que você está fervendo. E a diferença entre os dois pode estragar um prato.

"Certa vez, um amigo me serviu um ensopado de carne que me deu um verdadeiro treino da mandíbula", disse a editora de nutrição, Kathy Kitchens Downie. "Ela cozinhou a carne por 45 minutos em vez de cozinhá-la por algumas horas. Ela disse que só queria que fosse feito mais rapidamente. Bem, estava 'pronto', mas a carne cozida muito rapidamente em líquido, ironicamente, fica muito seca . E difícil, muito difícil. "

5. Você superaquece o chocolate.

Resultado: Em vez de ter uma consistência macia, cremosa e luxuosa, seu chocolate é granulado, separado ou chamuscado.

A melhor maneira de derreter o chocolate é ir devagar, aquecer suavemente, retirar do fogo antes que esteja totalmente derretido e mexer até ficar homogêneo. Se for usar o microondas, proceda com cautela, parando a cada 20 a 30 segundos para mexer. Se estiver usando banho-maria, certifique-se de que a água esteja fervendo, não fervendo. É muito fácil estragar o chocolate e não há caminho de volta.

A editora associada de alimentos Julianna Grimes recentemente fez um bolo, mas não prestou atenção o suficiente enquanto colocava o chocolate no micro-ondas. Coagulou. "Era todo o chocolate que eu tinha em mãos, então tive que jogá-lo fora e mudar meus planos."

6. Você amoleceu demais a manteiga.

Resultado: Os biscoitos espalham-se muito ou os bolos são muito densos.

Conseguimos: esquecemos de amolecer a manteiga e colocamos no micro-ondas para fazer o trabalho rapidamente. Melhor deixar em temperatura ambiente por 30 a 45 minutos para obter a consistência certa. Você pode acelerar o processo significativamente cortando a manteiga em porções do tamanho de uma colher de sopa e deixando-a repousar em temperatura ambiente.

A manteiga devidamente amolecida deve ceder ligeiramente à pressão suave. Manteiga muito mole significa que a massa do seu biscoito ficará mais parecida com uma massa, e se espalhará muito ao assar e perder a forma. Manteiga que é muito mole também não bata bem com açúcar, e o creme é essencial para criar bolos macios e macios com um miolo delicado.

7. Você superaquece produtos lácteos com baixo teor de gordura.

Resultado: O leite coalha ou "quebra", produzindo macarrão com queijo granulado, sorvete ou pudim.

Se você é novo na culinária mais leve, talvez não saiba que, embora possa ferver o creme muito bem, o mesmo não acontece com outros produtos lácteos, que coalham. A solução é cozinhar produtos lácteos com baixo teor de gordura a uma temperatura de apenas 180 graus ou menos.

Use um termômetro clipado, passe o mouse sobre a panela e aqueça em fogo médio-baixo ou baixo para evitar que coagule. E se coagular, jogue e comece de novo. Uma alternativa: estabilize o leite com amido, como amido de milho ou farinha, se você quiser levá-lo para ferver, o amido impedirá que coagule (e também engrossará o leite).

8. Você não conhece as peculiaridades e idiossincrasias do seu forno.

Resultado: A comida cozinha muito rápido, muito devagar ou de forma desigual.

Idealmente, todo forno ajustado para 350 graus F aqueceria para 350 graus F. Mas muitos fornos não, incluindo os caros, e alguns mudam seu comportamento à medida que envelhecem. Sempre use um termômetro de forno. Em seguida, esteja ciente dos pontos críticos. Se você produziu camadas de bolo com topos ondulados em vez de planos, os pontos quentes são o problema.

SaBrina Bone, que testa na nossa cozinha, aconselha o “teste do pão”: Disponha as fatias de pão para cobrir a grelha do meio do forno. Asse a 350 graus F por alguns minutos e veja quais fatias ficam chamuscadas - sua localização marca os pontos quentes do seu forno. Se você sabe que tem um ponto quente, digamos, no canto esquerdo traseiro, evite colocar panelas nesse local ou gire de acordo.

9. Você é muito casual sobre a medição de ingredientes.

Resultado: Bolos secos e duros, brownies borrachudos e uma série de outros contratempos de textura.

No cozimento mais leve, você está usando menos manteiga e óleo que podem esconder uma série de pecados de medição. A "xícara de farinha" de um cozinheiro pode ser a xícara de 1 1/4 de outro cozinheiro. Por que a discrepância? Algumas pessoas retiram a farinha da vasilha, basicamente colocando-a no copo medidor, ou batem com a xícara no balcão e completam com mais farinha. Ambas as práticas rendem muita farinha.

"Coloque a farinha levemente em copos medidores secos e nivele com uma faca", aconselha a diretora da Test Kitchen, Vanessa Pruett. Um copo medidor seco é aquele sem bico - um bico torna difícil nivelar o excesso de farinha com o lado achatado de uma faca. "Colher levemente" significa não empacotar.

10. Você superlota a panela.

Resultado: Alimentos encharcados que não douram.

O alimento libera umidade à medida que é cozido, portanto, deixe espaço para o vapor escapar. É fácil superlotar uma frigideira quando você está com pressa, especialmente se você tiver que dourar uma grande quantidade de carne para um ensopado de carne. Mas os pedaços marrons e crocantes são essenciais para o sabor, principalmente no cozimento com baixo teor de gordura.

Um lote encharcado de carne indo para um forno holandês não será um guisado bonito, rico e de sabor profundo quando sair, mesmo que fique devidamente macio. Este princípio de escurecimento se aplica igualmente a alimentos de cozimento rápido, como bolos de caranguejo e peitos de frango. Deixe espaço para respirar na frigideira e você obterá resultados muito melhores. Se você precisa acelerar as coisas, use duas panelas de uma vez.

11. Você manuseia mal a clara de ovo.

Resultado: Os brancos não vão agitar. Ou, batidos demais ou mal manuseados, eles produzem camadas de bolo achatadas ou suflês sem elevador.

A clara de ovo bem batida é volumosa, cremosa e brilhante, mas requer cuidados. Primeiro, separe as claras das gemas com cuidado, deixando-as escorregar por entre os dedos. Um grão de gema pode impedir que as claras batam completamente.

Deixe as claras repousar por alguns minutos - em temperatura ambiente elas batem melhor do que quando estão geladas. Bata com batedores limpos e secos em alta velocidade apenas até que os picos firmes se formem - isto é, até que o pico criado quando você levanta o batedor da tigela fique em pé. Se você bater demais, as claras ficarão granuladas, secas ou podem se separar.

12. Você vira a comida com muita frequência.

Resultado: Você interfere com a queimadura, a comida gruda ou perde o empanamento.

Aprender a deixar a comida sozinha é uma das lições mais difíceis na culinária que é tão tentador virar, cutucar, virar. Mas seu frango ou bife à milanesa não desenvolverá uma crosta agradável a menos que você deixe cozinhar, sem ser perturbado, pelo tempo especificado.

Um sinal de que é muito cedo para virar: você não pode deslizar uma espátula de forma limpa sob a crosta. "Ele vai se soltar da panela quando estiver pronto", diz a diretora assistente de cozinha de teste, Tiffany Vickers Davis. "Não tente erguer - a crosta vai grudar na frigideira, não o frango."

13. Você não deixa a panela quente o suficiente antes de adicionar a comida.

Resultado: Alimentos que grudam, vieiras sem carnes claras e grudentas.

O cozinheiro inexperiente ou apressado mal aquece a panela antes de adicionar óleo e jogar a cebola para refogar. Em seguida vem. nada. Sem chiar. Uma panela quente é essencial para refogar vegetais ou criar uma ótima crosta na carne, peixe e aves. Também ajuda a evitar que os alimentos grudem.

O editor associado de alimentos, Tim Cebula, foi aconselhado: "Se você acha que sua frigideira está quente o suficiente, dê um passo para trás e aqueça-a mais alguns minutos. Quando estiver prestes a chamar o corpo de bombeiros, adicione óleo e prossiga para cozinhar a comida . "

14. Você corta a carne com - em vez de contra - o grão.

Resultado: Carne mastigável que poderia estar macia.

Para fatias tenras, olhe para a carne para determinar a direção do grão (as fibras musculares) e corte o grão, não com ele. Isso é particularmente importante com cortes mais duros, como bife de flanco ou bife de diafragma, em que o grão também é bastante óbvio. Mas também é uma boa prática com cortes mais tenros, como costela assada em pé, ou mesmo aves.

15. Você assa mal bolos e pães.

Resultado: Bolos, brownies e pães ficam pálidos e pegajosos.

Produtos cozidos demais nos decepcionam, mas descobrimos que os padeiros menos experientes são mais propensos a cozê-los mal. "Você não obterá aquele escurecimento irresistível a menos que tenha a confiança necessária para cozinhar totalmente a comida", diz a editora associada de alimentos Julianna Grimes.

"Realmente, olhe para a comida. Mesmo que o palito saia limpo, se o bolo estiver claro, não está acabado. Deixe agir por mais alguns minutos até que tenha um marrom dourado uniforme." It’s better to err on the side of slightly overcooking than producing gummy, wet, unappealing food. Once you've done this a few times and know exactly what you’re looking for, it'll become second nature.

16. You don’t use a meat thermometer.

Result: Your roast chicken, leg of lamb, or beef tenderloin turns out over- or undercooked.

Small and inexpensive, the meat thermometer is one of the most valuable kitchen tools you can own. Using one is the surefire way to achieve a perfect roast chicken or beautiful medium-rare lamb roast, because temperatures don’t lie and appearances can deceive.

We love digital probe thermometers, which allow you to set the device to the desired temperature. A heat-proof wire leads to an external digital unit that sits outside the oven and beeps when the meat is ready. This eliminates the frequent opening and closing of the oven door to check the temp ? during which you lose valuable heat? and that speeds the cooking.

17. Meat gets no chance to rest after cooking.

Result: Delicious juices vacate the meat and run all over the cutting board, leaving steak or roast dry.

Plan your meals so that meat you roast, grill, sear, or sauté has time to rest at room temperature after it’s pulled from the heat. That cooling-off time helps the juices, which migrate to the center of the meat, to be distributed more evenly throughout.

The resting rule applies equally to an inexpensive skirt steak or a premium dry-aged, grass-fed steak, as well as poultry. With small cuts like a steak or boneless, skinless chicken breast, five minutes is adequate. A whole bird or standing rib roast requires 20 to 30 minutes. Tent the meat loosely with foil to keep it warm.

18. You try to rush the cooking of caramelized onions.

Result: You end up with sautéed onions, which are nice but a far cry from the melt-in-your-mouth caramelized ideal.

If you want real, true, sweet, creamy caramelized onions to top your burger or pizza, cook them over medium-low to low heat for a long time, maybe up to an hour. If you crank the heat and try to speed up the process, you’ll get a different product — onions that may be crisp-tender and nicely browned but lacking that characteristic translucence and meltingly tender quality you want.

Bottom line: Know that caramelized onions take time, and plan to cook them when you can give them the time they need.

19. You overwork lower-fat dough.

Result: Cookies, scones, piecrusts, and biscuits turn out tough.

Recipes with lots of butter are more likely to stay moist and tender because of the fat, even if the dough is overkneaded. But without all that fat, you absolutely must use a light hand. That’s why many of our biscuit and scone recipes instruct the cook to knead the dough gently or pat it out (instead of rolling), and our cookie or piecrust recipes say to mix just until flour is incorporated.

“Whenever I make any of our cookies, I stop the mixer before the flour is completely incorporated,” says the test kitchen’s Deb Wise. “I do that last bit of mixing by hand, and it makes a difference.”

20. You neglect the nuts you’re toasting.

Result: Burned nuts, with a sharp, bitter flavor.

Toasting intensifies the flavor of nuts. But the nut is a mighty delicate thing — in an oven it can go from perfectly toasty to charred in seconds. This has happened to every one of our test kitchen cooks.

Arrange nuts in a single layer on a heavy baking sheet, and bake at 350 degrees F for as little as two minutes for flaked coconut to five or more minutes (for dense nuts like almonds) shake the pan or stir frequently so the nuts toast evenly — they tend to brown on the bottom more quickly. They’re done when they’ve darkened slightly (or turned golden brown for pale nuts like pine nuts or slivered almonds) and smell fragrant and toasty.

21. You don’t shock vegetables when they’ve reached the desired texture.

Result: Mush.

Toss green beans, broccoli, or asparagus into boiling water for three to seven minutes, and they’ll turn vibrant green with a crisp-tender texture. But if you don’t “shock” those vegetables at that point by spooning them out of the boiling water and plunging them into ice water (or at least rinsing under cold running water) to stop the cooking process, the carryover heat will continue to cook them to the point that they turn army-green and flabby. This is not a concern if you intend to serve the vegetables immediately.

22. You put all the salt in the marinade or breading.

Result: Fish, poultry, or meat that’s underseasoned.

Healthy cooks try to keep sodium levels in check and only allocate a small amount of salt to a recipe — so they need to maximize the salt’s impact. For example, chicken marinating in citrus juice and salt will only absorb a tiny amount of the marinade. When you toss out the marinade, you also toss out most of the salt and its seasoning effect.

It’s better to use a little salt in the marinade, then directly sprinkle the majority of the salt on the chicken after it comes out of the marinade. The same goes for breaded items. Sprinkle salt directly on the food and then coat it with the breading.

left/TodayShow/Sections/Today Food_Wine/2010/03 Mar/CookingLightApril10PastaCover.jpg100left#000000http://msnbcmedia.msn.com1Pfalsefalse

23. You pop meat straight from the fridge into the oven or onto the grill.

Result: Food cooks unevenly: The outside is overdone, the inside rare or raw.

Meats will cook much more evenly if you allow them to stand at room temperature for 15 to 30 minutes (depending on the size of the cut) to take the chill off.

A roast that goes into the oven refrigerator-cold will likely yield a piece of meat that is overcooked on the outside and undercooked at the center. As you slice the roast, you’ll see a bull’s-eye effect: The middle is rare (or even raw) while the outside is well done. This is less of a problem with smaller cuts like chicken breasts, though even those benefit from resting at room temperature for five or 10 minutes before cooking.

24. You don’t know when to abandon ship and start over.

Result: You serve a disappointing meal. And you know it’s disappointing!

There’s no shame in making a mistake we all do. And while it may feel a bit wasteful to throw food in the trash, tossing out burned garlic, charred nuts, or smoking oil is the right thing to do. Start again fresh (if you have extras of the ingredients). Of course, there is a no-turning-back point, too. If you’ve overcooked a chicken because you didn’t use a meat thermometer, you’re bound to serve an overcooked chicken. At that point, the best practice is to ’fess up, apologize, pass the wine, and move on.

25. You use inferior ingredients.

Result: Suspirar.

We save this point for last because it’s the linchpin of great cooking: Good food begins and ends with the ingredients. The dishes you cook will only be as mediocre, good, or superb as the ingredients you put in them. As a rule, we recommend using high-quality ingredients whenever available and affordable.

Always shop for the best ingredients. They’re the foundation of good cooking and why we strive not to make the mistakes described here. Choose top-notch produce, meats, and cheeses, and protect them as you would anything else precious — handle with love, respect, and care so you can be a steward of the joys of great food. Your cooking will invariably turn out better.


6. A Low Note

"On my way to choir class, I started to feel a little queasy. I went to see the nurse, but she just gave me crackers and bubbly water and sent me on my way. In the choir room, I took my spot in the bleachers, a row above the boys everyone in our grade is into. I was feeling okay until we started our do-re-mi aquecimento. I made it to the second round &mdash but then I opened my mouth and threw up all over the guys! I was so humiliated. I ran back to the nurse to tell her 'I told you so.' And now I'm forever known as the girl who barfed on the grade's hottest guys."


25 Of The Worst Food Name Fails Ever

We&rsquore pretty picky about how our food is packaged &ndash choosing the wrong name, packaging color or logo can scare us away from a product. You&rsquod think that a food company would want to do some research to make sure that their product isn&rsquot ridiculed or doesn&rsquot seem repulsive, but judging by these food name package design fails, some of these guys don&rsquot seem to have gotten that memo.

Some of these are translation fails &ndash we can only hope that that Chinese food company isn&rsquot selling shredded children and that it was actually a funny fail. Others, like the British faggots in sauce, seem odd only because modern slang has re-appropriated their names. Some, like the Australian Gaytime ice cream, have even embraced their funny names.

Everybody makes mistakes, so, if you ever see any of these worst names for foods, give them another shot. You won&rsquot be a slut just because you eat Soup For Sluts. Heterosexual men need not fear the Homo Sausage &ndash don&rsquot judge it until you&rsquove tried it. And Ayds candies sporting a very inappropriate food pun probably won&rsquot make you sick (unless you eat way too many of them).

Now, scroll down for our picks of funny foods and food memes below! Bom apetite!


The 7 Most Embarrassing Things That Can Happen at the Gym

From the LOL to the OMG, readers share their gym-tastrophies.

Most people leave the gym with aching muscles or sweat-soaked clothes. Occasionally, though, some hightail it out of there with blushed faces after a humiliating turn of events. Hey, stuff happens! So, all in good fun, we asked our Facebook and Twitter followers to share their most embarrassing #funnygymstory. As you can see, no one is immune to cringe-worthy (and often hilarious) moments!

O Falso Alarme
"Working out on the elliptical while very, very pregnant. My water bottle had cracked, started dripping, and spilled down me and on the ground. Others around noticed the liquid, assumed my water broke, and started to jump into action. I caused quite the scene and was embarrassed to explain my water bottle was broken but my water had not broken." &ndashKathy Hannen, on Facebook

The H2O Hijacker
"@WomensHealthMag after I finished running on the treadmill I reached over and drank someone else's water bottle #funnygymstory" [email protected]

The Crash and Burn
"One day while rushing into my barre class, I completely failed to see the glass wall and walked right into it at full speed. Knocked me right on my butt and left a big welt on my head. The whole class saw everything and was cracking up, and I can't blame them. I did manage to make my way to the actual door and then work out for an hour, but now every time I go in I think to myself, 'Don't walk into the wall, don't walk into the wall.'" &ndashHope McGeathy, on Facebook

The Class Cut
"@WomensHealthMag I took a yoga class in college & farted one day. I was embarrassed & never went back, thus failing the class #funnygymstory" [email protected]

The Stage-Five Clinger
"I was on the elliptical machine and about 5 min in, a dryer sheet flew out the bottom of my yoga pants! Lol" &ndashMelissa Rivera, on Facebook

The Spaghetti Slip
"@WomensHealthMag Went to jump on the BOSU & I missed & fell like a wet noodle. #funnygymstory" [email protected]

The Surprise Debriefing
​"I threw my towel out ready for the floor component of the class and out flew a pair of undies (definitely were not gorgeous lacy numbers, just the regular mummy knickers!!)." &ndashPriscilla Lister, on Facebook

For some of these scenarios, there are a few tricks of the trade&mdashlearn experts' advice for what to do when you fart during yoga class and how not to be the awkward new kid in your fitness class. Other situations are totally out of your control&mdashno one expects her water bottle to burst mid-workout. So if you find yourself in the middle of an embarrassing gym moment and you're not sure what to do next, just laugh it off, hold your head up high, and continue sweating!

Think you can top these cringe-worthy stories? Share your funny gym moments in the comments below!


15 Things only people who mesmo love Japanese food will understand

The love of Japanese food is not without its quirks, passions and challenges. While it has plenty of joys, there are just some things only a Japanese food lover will understand.

Sushi, gyoza, shabu-shabu, Kobe beef and udon noodles are just some of the pleasures that await the Japanese food connoisseur. To love Japanese food is to love subtlety, harmony and umami, and then wash it all down with sake. Of course, to love Japanese food is also to know that sometimes you march to the beat of your own taiko (also known as a drum), and with that come a few things only you and your fellow fans will understand.

1. Suddenly cheap sushi just doesn’t cut it

With the popularity of sushi across the world, it’s available in grocery stores, fast-casual restaurants and even gas stations. The problem is, once you’ve learned to love the good stuff, even the average stuff sucks. This by itself isn’t a problem, except for the fact that real, good sushi is so expensive.

2. The Japanese restaurant experience is nearly impossible to replicate at home

The background music, sake pitchers, screens, cooking tables (if Japanese steakhouses are your thing) and multitude of authentic ingredients are difficult to find and expensive to procure. By the time you’ve bought your supplies and cooked your Japanese feast, you were better off just going out to eat.

3. Good tempura is hard to make

If the Japanese experience is like lightning in a bottle to capture, try making exceptional tempura. The best tempura is light, crispy and utterly devoid of grease. It’s really hard to do perfectly, especially for multiple servings of golden shrimp and crispy vegetables.

4. Panko is addictive

Tonkatsu, tempura and everything else can be made better with the addition of a little panko. Often thought of as breadcrumbs, panko is actually a specially created mini-bread product that helps form the perfect outer layer of a tempura fry. It’s also really good on fried chicken, as a thickener for soup, a coating for pork and even good by itself. This is good, though, because after you’ve had your first panko, you’ll never want to stop eating it.

5. Bento boxes seem to come in only one size &mdash small

Part of the Japanese culinary experience is the aesthetic. As such, it just doesn’t feel right to eat your Japanese cuisine off a paper plate or even your normal dinnerware. Enter the bento box, the ubiquitous serving platter used in many Japanese restaurants that looks a lot a like a fancy segmented school lunch tray. They definitely look neat, but they don’t hold a lot of food, and that’s just not good if you’re a Japanese food lover.

6. It’s difficult to find good seaweed in America

Seaweed plays a vital role in a number of Japanese dishes, including miso soup, sushi and shabu-shabu, to name a few. While it’s hard to tell in sushi where the toasted seaweed is hidden in all the rice, it’s still really hard to find great seaweed unless you live in Japan or on the West Coast. Sadly, your Japanese meal is only as good as its ingredients, so bad seaweed leads to bad food.

7. Red bean paste and green tea

It’s possible to make a great dessert from both red bean paste and green tea. Just, no one will believe you.

8. Ramen is good, really!

When most people hear the word “ramen,” they think of that stuff you can buy prefried and served with a flavor packet for about a quarter a package. While that stuff is ramen, it’s not really ramen. Good ramen is made with care and honors the Japanese tradition of maintaining the perfect balance of meat and vegetables. Real ramen is a joy to eat. The cheap stuff&hellip not so much.

9. The quest for Kobe

Despite what you heard, until recently it was illegal for Japan to export real Kobe beef to the United States. What we were eating was its close spiritual cousin, American wagyu. Now it’s legal to buy Kobe, and the Japanese lover has to eat the real thing, no matter the cost. And that’s not a figure of speech &mdash Kobe is expensive.

10. Most eateries won’t give you hot towels before the meal

The Japanese eating experience oftentimes begins with a hot towel, used to clean the hands and freshen the mind. Try getting that at your local sports bar, and you’re going to find yourself wishing for Japanese food.

11. And they make you leave your shoes on

That’s the other thing. One of the nice parts is that you get to kick off your shoes, relax and stay a while. Again, not something you’re going to get to do at a sports bar, nor would you really want to.

12. You suddenly love raw egg

The Japanese people put raw eggs on everything: fish, rice, soup, pasta, etc. Once you’ve come to love Japanese food, you can find all sorts of places you could eat raw egg, leaving you with one critical decision: Should you?

13. You get embarrassed when people follow bad chopstick etiquette

To become immersed in Japanese culture is to embrace its traditions and rules. One of these rules is to not rub the little wooden pieces off your chopsticks after you’ve split them. It’s an insult to the restaurant (or your hosts) and can be embarrassing to witness.

14. Eating rice to the last grain

Another tradition of the Japanese is to eat everything you are given, including every last grain of rice. While most Japanese food fans are adept at using chopsticks, it can still be a pain in the rear to eat every last grain.